sexta-feira, 31 de agosto de 2007

Apontamentos de Filosofia Antiga


Nota prévia: este texto destina-se essencialmente aos estudantes que se iniciam no estudo da Filosofia Antiga.


Primeira Parte


As Origens da Filosofia



Quadro Político da Grécia Antiga até ao século VII

A questão das origens da Filosofia é hoje uma questão clássica mas ainda controvertida. Para a tentarmos compreender vamos recuar até ao momento no qual surgiram os primeiros Gregos.

Aproximadamente no ano 2000 a.C. estabeleceram-se na Grécia povos indo-europeus que nela se fixaram, os quais já falavam o grego.

Quanto à origem e características dos indo-europeus ainda hoje subsistem dúvidas. Poder-se-á dizer que são povos continentais, ligados à pastorícia e com uma religião ligada aos fenómenos atmosféricos.

Detecta-se no século XVI uma civilização que vai ser brilhante, a civilização dos Aqueus. Vários são os problemas que se colocam ao seu estudo e para uma parte dos quais só há conjecturas.


O que podemos dizer, com alguma segurança, é o seguinte:

  • os Aqueus são essencialmente guerreiros e encetam uma expansão pelo Mediterrâneo Oriental;
  • constituem uma série de estados entre os quais existe, ao que parece, a hegemonia de Micenas;
  • o estado aqueu é fortemente burocratizado;
  • o linear B é a escrita dos Aqueus, a qual é silábica e não se adapta à palavra oral.

Não se conhece bem a organização política e social dos Aqueus. Sob o ponto de vista político o poder está concentrado nas mãos do soberano; é muito provável que haja traços orientalizantes no estado aqueu.

O soberano vive num palácio que é uma autêntica cidadela que se ergue na parte alta da cidade. Ele governa auxiliado por altos funcionários e uma burocracia controla tudo o que se passa no estado.

Sob o ponto de vista social deve existir uma hierarquia rígida na qual a classe dos guerreiros é a mais importante.

Vejamos, agora, outros aspectos.

Os Aqueus entraram em contacto com outros povos e entre estes, deve destacar-se o cretense.

Um povo rude como o aqueu, pouco a pouco, em contacto com outras civilizações, vai-se interessando pelos aspectos artísticos; é provável que artistas cretenses tivessem trabalhado nalguns estados aqueus.

A civilização aqueia mostrou uma abertura ao exterior que é notável e neste aspecto prefigura a Grécia a partir dos finais do século IX. É esta abertura que encontramos em relação à religião.

A religião que vamos encontrar na Grécia arcaica, em boa parte, está formada no tempo dos Aqueus. Os principais deuses encontram-se já na civilização aqueia e há divindades que vêm de outras regiões, em especial de Creta.

É interessante notar-se que a religião dos Aqueus, nos tempos mais recuados, privilegiava as divindades masculinas mas, sobretudo, em contacto com Creta o panteão vai ser enriquecido com divindades femininas. Os contornos da religião grega são nítidos, portanto, antes dos poemas homéricos.

Para terminarmos a parte referente aos Aqueus façamos referência a dois problemas:

  • O primeiro diz respeito à Guerra de Tróia. Como é sabido a Guerra de Tróia foi encarada, na Antiguidade, como um conflito de grandes proporções. Todavia, para alguns historiadores, entre os quais citemos Finley e Claude Mossé, a importância da expedição a Tróia foi diminuta.
  • O segundo problema refere-se ao fim da civilização dos Aqueus. Não deve ter sido um final rápido: é possível que a destruição durasse cerca de um século (do século XII ao século XI). Apontam-se hoje várias hipóteses parecendo que se está longe de uma certeza.

Só podemos dizer que a destruição foi brutal. No século XI um monte de ruínas era o que restaria do mundo aqueu.

Pouco se sabe da Grécia entre os séculos XI e IX, o linear B desapareceu e a arqueologia não tem trazido muitas informações sobre este período.

O que se poderá dizer é o seguinte:

  • a Grécia fecha-se sobre si própria. Se os contactos com o exterior não terminam, são todavia menos frequentes;
  • a actividade económica é diminuta;
  • as concentrações urbanas praticamente não existem;
  • a escrita, que agora é alfabética, deve ter surgido nos meados do século X.

A introdução da escrita é um momento alto da civilização grega. A base da escrita é o alfabeto fenício. É clara portanto a influência deste povo. Mas o que é interessante notar-se é o facto dos Gregos não se terem limitado a importar o alfabeto fenício: para que a escrita correspondesse à linguagem oral os Gregos fizeram as adaptações necessárias.

A escrita antecede o aparecimento da polis. Esta, segundo Lévêque, teria surgido cerca de 800.

As poleis espalharam-se por todo esse vasto território que constitui a Hélade. Mas vejamos o que é a polis.

Devido à escassez de informações não conhecemos as raízes, ou seja, as razões do aparecimento da cidade-estado. O que sabemos é que de uma forma geral a polis, tem um pequeno território o que a leva a possuir, igualmente, quase sempre, uma pequena população.

Há diferenças entre o estado aqueu e a polis no tocante ao desenho urbanístico: enquanto no primeiro a cidadela, que é a residência do rei, é o lugar central, na polis surge a àgora que, nos seus primeiros tempos, é uma praça pública.

Na àgora os habitantes podiam encontrar-se, conviver e trocar ideias. Há, assim, uma maior abertura, o sinal de uma mentalidade na qual a curiosidade sobre as concepções e a vida pública devem ter, já, um lugar de destaque.

O que vai acontecer ao longo dos tempos é o que se tem chamado a fragmentação do poder político. A tendência é para o poder político se dividir por vários magistrados, colégios e assembleias. E também vários são os regimes políticos que os Gregos vão conhecer, entre os quais o democrático que atinge a sua forma mais avançada na Atenas do século V.

Ora, entre o aparecimento da polis e o final do século VII podemos encontrar, entre outros, os seguintes aspectos:

  • a Grécia está francamente aberta ao exterior;
  • a actividade económica é intensa;
  • há grupos sociais em ascensão: comerciantes, navegadores, proprietários de oficinas;
  • surge a moeda, cujo significado inicial, ainda hoje não é consensual;
  • aparecem os códigos escritos, com grande repercussão na mentalidade grega.

No final do século VII encontramos a Hélade estendendo-se da extremidade do Mar Negro ao extremo ocidental do Mediterrâneo. A Hélade é, assim, um espaço descontinuo onde a unidade é constituída por laços espirituais: a língua, a religião, os festivais pan-helénicos, entre outros. Mas a Hélade é o espaço das poleis e no período que estamos a considerar mencionemos duas faixas de colonização extremamente importantes: o litoral da Ásia Menor e aquela constituída pelo Sul de Itália e a Sicília.




Quadro cultural da Grécia Antiga até ao século VII

É frequente ao descrever-se as origens da filosofia falar-se de passagem do mito ao logos.

Tentaremos mostrar que a expressão passagem do mito ao logos é ambígua e pode deturpar o que historicamente se teria passado.

Comecemos pela questão do mito. O mito é uma história real, ou seja, o que para nós é uma fábula, uma história maravilhosa, era nas sociedades arcaicas uma narrativa verdadeira. Mas digamos, ainda, que o mito pode ter como personagens não só os deuses como os próprios homens (Cfr. M.H.R. Pereira).

A importância do mito é praticamente indesmentivel. Funciona como algo exemplar: o acto de semear ou de erguer uma casa são imitações de gestos contidos nos mitos. Um dos mais importantes é o cosmogónico, ou seja, aquele que trata das origens.

Este mito narra a forma como o mundo veio à existência e qual o papel que os deuses desempenharam nesse acto. A origem do homem era contemplada nesta exposição que era transmitida de geração em geração: o mundo assim como o homem era obra dos deuses.

Para além da dimensão do mito como modelo devemos falar da sabedoria que a ele está ligado.

O mais antigo corpo de saber que encontramos na Grécia está ligado aos sacerdotes e aos homens divinos.

Os homens divinos constitui uma expressão usada pelos gregos. Com ela queriam significar aquelas personalidades que continuando a ser humanas possuíam um dom dado pelos deuses, o que fazia que estivessem mais perto da divindade.

Estes homens tinham poderes extraordinários como por exemplo: conhecer o passado e o futuro; separar o espirito do corpo e viajar, por vezes por longos anos, com o espirito deixando de lado o corpo; descida ao Hades; poderes para deter cataclismos naturais.

Para se compreender um pouco melhor uma questão tão delicada convirá mencionar a posição de E. Morin (O Método, III ?). O filosofo francês considera que na época em que o mito é relevante as técnicas já existiam, isto é, há uma coexistência de actividades bem diferenciadas. Tal significa que é próprio do espirito humano este duplo enfoque, o que leva o homem a viver não só com a razão mas também com o mito.

No caso da Grécia Antiga podemos ver a força do mito mas também manifestações culturais, ligadas essencialmente à literatura, que ampliam e diversificam o campo do Homem.

Façamos assim uma referência à cultura Grega desde os poemas homéricos até aos finais do séc. VII.

Em primeiro lugar acentuemos a importância da Ilíada e da Odisseia. Nestes poemas viram os Gregos os seus antepassados: os Gregos são os descendentes dos heróis da Guerra de Tróia. Há assim uma dimensão histórica, sempre considerada ao longo dos séculos na Grécia Antiga.

Nos poemas homéricos o aspecto religioso é relevante: os episódios relativos aos deuses são numerosos e assim não é para admirar que a sua influência seja grande neste campo.

As qualidades ostentadas pelos heróis irão servir de modelo aos Gregos. Assim não é para admirar que Homero fosse considerado o educador da Grécia e os poemas constituíssem a base da paideia grega. Convirá reflectir um pouco sobre este ponto.

Homero será acusado por vários pensadores de contar histórias vergonhosas acerca dos deuses.

O ataque de Xenófanes a Homero inicia a querela entre os defensores da paideia tradicional e os filósofos. Mais tarde, vemos Platão, na República, criticar longamente a paideia tradicional.

Se os poemas homéricos são fundamentais todavia não fazem esquecer a Teogonia e os Trabalhos e os Dias de Hesíodo (meados do século VIII).

Os poemas de Hesíodo constituem um marco na História da Cultura Grega – vejamos alguns aspectos.

Será interessante ver que o poeta fala de si próprio na sua obra (o poeta ou poetas dos poemas homéricos não têm uma atitude pessoal).

As obras de Hesíodo apresentam outra inovação: o aspecto ético é frisado e assim a justiça é algo de agradável aos deuses.

A Teogonia é importante não só porque é um tratado sobre a religião grega mas também pela questão cosmogónica.

Há um esforço por parte de Hesíodo em colocar uma certa ordem na religião grega: ao que nos parece tudo indica que o quadro religioso grego era confuso, que as contradições eram abundantes nas biografias dos deuses.

Surge, assim, um traço de um novo espirito: há a preocupação em arrumar a matéria religiosa, há uma certa racionalização na tarefa levada a cabo por Hesíodo. Com isto não queremos dizer que se perca o sentido religioso mas sim, que começa a surgir um novo estilo.

A narrativa cosmogónica na Teogonia segue o estilo a que fizemos referência. A génese do Universo é relativamente simples e há uma certa aproximação à noção de Natureza sem implicar a perda do estatuto de importância que as divindades possuíam.

Mencionemos outro acontecimento da História da Cultura Grega: o aparecimento, nos princípios do século VII, da poesia lírica.

O poeta lírico fala de si, descreve os seus sentimentos, torna - - os públicos. É este, sem dúvida, um fenómeno relevante na Cultura Grega.

O quadro que traçamos não nos mostra toda a riqueza da Cultura Grega desde os fins do século IX até aos finais do século VII. Mas parece-nos suficiente para compreender a passagem do século VII para o VI.

Relembremos que a parte oriental do mundo grego estava em contacto com algumas civilizações brilhantes (Egipto, Mesopotámia). A polis, por sua vez, implicava uma mobilidade espiritual que a diferenciava do estado oriental.

Sob o ponto de vista cultural, a trajectória seguida, implicava uma discussão sobre temas cada vez mais amplos e complexos.

Segundo os Gregos nos finais do século VII e primeiras décadas do VI surgiu uma pleiade de personalidades a quem chamaram os sete sábios e cujos nomes variavam de lista para lista. Tales é um dos nomes presentes em todas elas.

Os sete sábios, envolvidos em parte pela lenda, são figuras diferenciadas: ao lado de legisladores e governantes surgem, também, aqueles que têm poderes extraordinários.


Vejamos algumas das suas características:

  • os sete sábios estão ligados à defesa da polis ou escrevendo os códigos ou salvando-a de catástrofes por meios extraordinários;
  • o seu saber é condensado em máximas, os apotegmas;
  • esse saber é público e algumas máximas são gravadas na pedra.

Quando chegamos a Tales de Mileto há na Grécia uma longa tradição cultural. Encontramos a inovação que não corta abruptamente essa mesma tradição. Não deve ser por acaso que Tales é um dos sete sábio e o primeiro filósofo.

O filósofo surge como o herdeiro do chamane, do sacerdote, do poeta. É detentor do saber como o eram os seus antepassados. Mas agora o saber é oferecido a quem o quiser fruir. É um saber aberto que contrasta, agora, com o circulo fechado do antigo corpo de saber.

Há uma dessacralização do saber? A resposta não é fácil. Há mitos e narrativas que perdem velocidade, que se vão tornando mais abstractos , ao longo dos tempos. Mas a religião não perde o seu prestígio e acompanhara sempre o homem grego.

Pelo que dissemos, já anteriormente, a expressão passagem do mito ao logos não é muito correcta.

O mito não desaparece com a filosofia, umas vezes enfrenta-a, outras cruza-se com ela. Na longa caminhada não há cortes bruscos, há transformações mais ou menos lentas. Nos finais do século VII havia condições para o aparecimento da filosofia. Um quadro político aberto é uma delas. Mas há também um conjunto de experiência culturais que preparam o terreno para a "aurora da filosofia".



Álvaro dos Penedos


"As Origens da Filosofia" foi extraído de Os Dias de Deméter.


Obs.: este texto também pode ser encontrado no site da A.F.A. - Associação Filosofia Antiga sob Conteúdos/ Iniciação à Filosofia Antiga ou directamente através deste link.

2 comentários:

Levi Malho disse...

Caros Amigos:

Excelente texto!
Com apoios como este, na sua qualidade, clareza e organização das ideias, só possíveis se feitos por alguém com muita experiência, paixão e conhecimento sobre os assuntos de que fala, é um prazer iniciar ou regressar ao gosto pelo "Pensamento Antigo"!

Parabéns ao Autor e a minha gratidão, uma vez mais, como Leitor atento, interessado e amigo.

Levi Malho
------------

Antifonte Genuíno disse...

Se estes "Apontamentos" falassem, se estes "Apontamentos" quisessem um dia escrever as suas Memórias, muito coisa se viria a saber! Para quantos e quantos estes "Apontamentos" foram e continuam a ser preciosos tesouros, providenciais "soluções" para as dificuldades aparentemente mais difíceis! Para quantos e quantos, estes "Apontamentos" mostraram, por A+B, que o verdadeiramente difícil é encontrar uma linguagem inteligível, uma forma clara e distinta de expor, explicar... ensinar... Eu sou eternamente grato ao Autor dos "Apontamentos". Com ele estou sempre a aprender. Com ele aprendi a ensinar, a ouvir, a respeitar. Com ele aprendi a enorme responsabilidade da solidariedade, da tolerência, da lealdade, da verticalidade. Com ele aprendi não só como se diz,mas, essencialmente, como se vive, a filantropia, a "philia", a "sophrosyne", a "philo-sophia", isto é, esta maneira séria e simples de gostar de saber mais, de estar sempre pronto a aprender, de estar sempre disposto a ouvir, de estar sempre disponível nos momentos em que a "tyche" nos fustiga, de estar sempre lá para deitar a mão quando a "atê" nos coloca mesmo à beira do precipício. Este texto, que acaba de ser escrito, prova que, a partir de simples(?) "Apontamentos", se pode falar de grandes MONUMENTOS.